Milhas: Smiles inicia emissão de passagens para a África do Sul

A parceria da Smiles com quatro novas companhias aéreas – entre elas, a South African Airways – foi uma das principais notícias do setor de turismo nesta semana. Além da empresa sul-africana, o programa de fidelidade agora é parceiro da Ethiopian Airlines, Royal Air Maroc e Passaredo. Para o viajante que sonha com a África do Sul, entretanto, a novidade não traz motivos para otimismo. A não ser que ele tenha mais de 100 mil milhas acumuladas.

A novidade do programa Smiles é vantajosa só para quem tem muitas milhas

Fiz algumas simulações de viagens no site da Smiles, sempre considerando o voo direto entre São Paulo/Guarulhos (GRU) e Joanesburgo (JNB). O menor valor que encontrei foi o de 55.000 milhas/trecho para voos entre agosto e 2 de dezembro de 2018, na classe econômica.

É bom para quem?

Para quem tem, no mínimo, 110.000 milhas no Smiles. Numa das simulações, considerei a ida em 6 de setembro, e a volta no dia 20 do mesmo mês. Fora as 55.000 milhas de cada trecho, você só pagaria as taxas de embarque (R$ 245,17) e as cobradas pela companhia aérea (R$222,72). Na prática, seria uma viagem à África do Sul saindo por R$ 467,89.

Obviamente, assim é muito mais vantajoso do que comprar no site da SAA. Levando em conta as tarifas mais baixas para o mesmo período, você pagaria R$ 1.040,23 na ida, R$ 1.060,94 pela volta, incluindo as taxas de embarque no valor de R$ 245,17. No total, R$ 2.101,17.

Milhas + dinheiro

Para quem não tem tantas milhas, o programa de fidelidade oferece a modalidade Smiles & Money. Como o nome diz, o pagamento combina seus pontos com uma quantia em dinheiro. Há ainda a possibilidade de parcelar em 12 vezes. Embora seja uma alternativa atraente à primeira vista, ela tem um cheirinho de furada na prática.

A opção mais econômica em termos de pontos é a que cobra 16.500 milhas e R$ 850,00 por cada trecho. Ao fechar a conta e passar a régua, são 33.000 milhas mais R$ 1.700. Só aí, você já desembolsaria um valor suficiente para aproveitar as tarifas que o Melhores Destinos divulgou hoje. Voando de Taag para Cape Town, partindo de várias cidades brasileiras, o viajante pagaria R$ 1.684, já incluindo as taxas.

Seguindo com a opção do Smiles, além dos R$ 1.700, a pessoa também teria que pagar pelas taxas de embarque (R$ 245,17) e a da companhia aérea – os R$ 222,72 que você não gasta no site da SAA. Valor total: R$ 2.167,89. Até eu que sou péssimo com números percebi que está longe de ser uma boa alternativa.

Passagem para a África do Sul - Programa Smiles e South African Airways (SAA)

“E se eu comprar apenas um trecho com milhas e a volta com Latam ou Taag?” A passagem de ida fica mais cara. Muito mais cara. Muito mesmo. A BBC explica.

E o verão?

Dezembro marca o início da alta temporada na África do Sul, que tem como auge o período das festas de fim de ano. Curiosamente, não encontrei voos da SAA para a primeira quinzena daquele mês, em datas após o dia 3. Achei apenas rotas pouco ortodoxas, como São Paulo-Roma-Joanesburgo (Alitalia) e São Paulo-Dubai-Joanesburgo (Emirates).

Já ao simular um período que pegasse Natal e Ano Novo, levei um pequeno tombo da cadeira: são 105.000 milhas para ir até Joanesburgo em 17/12 e outras 105.000 para voltar no dia 1º de janeiro – data que, em 2016, apresentava tarifas mais baixas.

Resultado

Após a empolgação, veio a ducha de água fria como o mar de Camps Bay. Acabei usando minhas milhas para comprar uma viagem para Belém. O jeito é combater a saudade da África do Sul dançando muito carimbó!

Veja também:

Voando com a SAA para Joanesburgo

Chegando no aeroporto de Joanesburgo

Como se virar no voo da South African

Quer mostrar o post pra alguém? Compartilhe!

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.